domingo, 3 de outubro de 2010

Vindimas

A Associação realizou ontem um evento para associados e convidados.

Para lembrar as vindimas, foi servido um jantar regado ao vinho, é claro. Saboreamos um delicioso leitão, filé ao molho madeira e pato no tucupi, um prato típico do Pará, principalmente nesta época - mês de outubro - em que acontece o Círio de Nossa Senhora de Nazaré.

Com doces deliciosos e uvas à vontade, a noite foi maravilhosa, ao som de belas músicas brasileiras.

Parabéns ao Sr. José Valente e Diretores por mais esse evento de amizade e que levou às recordações por parte daqueles que por muitas vezes vivenciaram esse costume na sua terrinha.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Pelo caminho das vindimas


2010-09-10

EDUARDO PINTO
Começaram as vindimas. A época alta para o turismo na Região Demarcada do Douro. A azáfama da colheita das uvas, o seu transporte para as adegas, a pisa a pé (que ainda se faz em algumas quintas), a prova do primeiro mosto, são rituais que têm cada vez mais procura de turistas.
Não admira que a capacidade hoteleira da região esgote durante os meses de Setembro e Outubro. As 2500 camas disponíveis são cada vez mais insuficientes e por isso convém reservar com bastante antecedência. E este ano espera-se uma enchente de turistas nacionais, que começam já a ganhar terreno aos estrangeiros.
Por estes dias já se vindima na região que também é Património Mundial da Humanidade, graças à sua paisagem cultural, evolutiva e viva. Mas é a partir da próxima semana que a actividade vai ganhar força.
A Rota do Vinho do Porto vai lançar nos próximos dias a Festa das Vindimas 2010, que promete muitas iniciativas para aliar a animação e o lazer ao trabalho árduo que a colheita das uvas representa e a responsabilidade que a produção de vinho exige. Isto apesar de às vezes se dar a ideia de que tudo é brincadeira.
António José Teixeira, presidente da Rota, promete semanas de animação, com concertos, lagaradas, provas de vinhos e gastronomia, passeios, entre outras iniciativas “para pôr o Douro a mexer”.
Luís Barros, da Enoteca Douro, em Favaios (Alijó), é um dos operadores que inicia já amanhã o seu programa de vindimas. Todos os dias, durante um mês, vai levar os turistas por uma viagem que se inicia no tempo de Dona Antónia Ferreira (Ferreirinha) e vai até ao do Marques de Pombal. “Com concertinas, grupos de folclore e de teatro vamos dar um ambiente propício à festa das vindimas”, explica, salientando que o programa contempla “colheita de uvas na vinha, transporte para o lagar, pisa a pé, provas de vinhos e merenda”.
Nos dias 25 e 26 deste mês, Celeirós do Douro, em Sabrosa, voltará a acolher uma lagarada tradicional que, ano após ano, tem vindo a assumir-se como um dos pontos altos do cartaz de animação da época. As quintas voltarão a abrir as portas proporcionando provas explicadas dos seus néctares e visitas guiadas pelos centros de vinificação.
Fonte: Jornal de Notícias no endereço:

Nosso comentário: Amanhã a Associação Vasco da Gama realizará um encontro comemorativo para lembrar a tradição em Portugal.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

7 de Setembro - Dia da Independência do Brasil

A independência do Brasil foi declarada por Dom Pedro no dia 07 de setembro de 1822.

A instalação da Corte portuguesa no Brasil, em 1808, contribuiu para a separação definitiva das duas nações. A abertura dos portos, a elevação da colónia à situação de reino e a criação do Reino Unido de Portugal e Algarves (1815) deram início a um processo que acabaria por se revelar irreversível.

Dom João VI é chamado a Portugal pelas Cortes Constituintes decorrentes da Revolução Liberal no Porto, em 1820. Ele volta, mas deixa no Brasil o filho Dom Pedro como Regente, para conduzir a separação política, caso fosse inevitável.

Pressionado pelas Cortes, Dom João VI chama Dom Pedro a Lisboa. Mas o príncipe regente resiste. Forma-se em torno dele um grupo de políticos brasileiros que defende a manutenção do status do Brasil no Reino Unido. Em 29 de dezembro de 1821, Dom Pedro recebe um abaixo-assinado pedindo que não deixe o Brasil. Sua decisão de ficar é anunciada no dia 9 de janeiro do ano seguinte, num gesto enfático. O episódio passa à História como o DIA DO FICO.

Entre os políticos que cercam o Regente estão os irmãos
António Carlos e José Bonifácio de Andrada e Silva, e o Visconde de Cairu, José da Silva Lisboa. Principal ministro e conselheiro de Dom Pedro, José Bonifácio luta, num primeiro momento, pela manutenção dos vínculos com a antiga metrópole, resguardando a autonomia brasileira.

Dom Pedro, convencido de que a separação é irreversível, aceita a independência desde que a monarquia continue. Fora da Corte, outros líderes liberais, como
Joaquim Gonçalves Ledo e Januário da Cunha Barbosa, actuam nos jornais e nas lojas maçónicas. Fazem pesadas críticas e defendem total separação da metrópole.

Em 3 de junho de 1822, Dom Pedro recusa fidelidade à Constituição portuguesa e convoca a primeira Assembleia Constituinte brasileira. No dia 07 de setembro de 1822, numa viagem a São Paulo, Dom Pedro recebe novas exigências das Cortes Constituintes de Portugal. Irritado, reage proclamando a Independência do Brasil.

Em 12 de outubro de 1822, é aclamado imperador pelos pares do Reino e coroado pelo bispo do Rio de Janeiro, no dia 1º de dezembro, recebendo o título de Dom Pedro I. No início de 1823, realizam-se eleições para a Assembleia Constituinte da primeira Constituição do Império Brasileiro. A Assembleia é fechada em novembro por divergências com Dom Pedro I. Elaborada pelo Conselho de Estado, a Constituição é outorgada pelo imperador a 25 de março de 1824.

Contra o liberalismo de sectores das elites brasileiras, triunfa o espírito conservador e centralizador de José Bonifácio. “Independência sem revolução” era a expressão usada na época para definir o pensamento do principal conselheiro de Dom Pedro I.


domingo, 5 de setembro de 2010

Homenagem ao PAI DO ANO

Aconteceu no dia sete (7) de agosto a homenagem da Associação Vasco da Gama ao sócio Domingos Ribeiro Mendes, que merecidamente representou os pais associados.

Durante o jantar o Sr. Domingos Ribeiro Mendes foi anunciado e homenageado como o escolhido pela Associação através das falas dos Diretores José Valente, Cícero Alves e Helder Serra.

Em seguida assistimos à homenagem da esposa, dos filhos e dos netos do PAI DO ANO, documentado em um belo vídeo que emocionou a todos (as) que reconhecem nesse sócio atributos que justificam a honrosa escolha; em seguida o PAI DO ANO 2010 falou da sua alegria, emoção e gratidão a todos (as) pela lembrança.

Com música ao vivo a noite estendeu-se de forma acolhedora dedicada a todos os pais associados e seus convidados.

terça-feira, 13 de julho de 2010

O português que nos pariu

O Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas foi comemorado em Belém tendo como parte da agenda uma palestra da escritora Ângela Dutra de Menezes que no seu livro aqui intitulado expõe sobre o descobrimento, a presença do português no Brasil, consequentemente sobre as nossas origens.

Com bastante humor a narrativa já empolga a partir da receita sobre a formação do português. De forma bem coloquial, a escritora prendeu a atenção de todos e confirmou a diversão através da literatura.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Portugal na Copa do Mundo 2010

O Hino de Portugal acaba de ser executado.

Boa sorte!

Diretoria da Associação Vasco da Gama 2010/11

Presidente : José Valente
1º Vice : Joaquim Soares
2º Vice : Antônio Fernandes
1º Secretário : Arnaldo Rodrigues
2º Secretário : José Antonio Pina
1º Tesoureiro : Helder Serra
2º Tesoureiro : Celestino Aguiar
Diretor Cultural: Cícero Alves
Diretor Patrim. : José Manuel
Diretor Social : Carlos Nogueira
Diretor de Sede: Paulo Sérgio

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Luís Vaz de Camões


Do Canto 1 da obra Os Lusíadas:

1
As armas e os barões assinalados,
Que da ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram;


Imagem: O Retrato de Camões por Fernão Gomes no sítio:








Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas

As origens do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades remotam ao ínicio do século XX (1924). O Dia de Camões começou a ser festejado a nível nacional com o Estado Novo (um regime instituído em Portugal por António de Oliveira Salazar, em 1933).

Por quê Dia de Portugal e de Camões?

Segundo Conceição Meireles (investigadora especialista em História Contemporânea de Portugal) Camões representava o génio da pátria, representava Portugal na sua dimensão mais esplendorosa e mais genial. O feriado em honra de Camões (um dos simbolos da Nação) passou a ser a 10 de Junho uma vez que esta data foi apontada como sendo a da morte do poeta que escreveu "Os Lusíadas".

Por quê Dia das Comunidades?

Até ao 25 de Abril de 1974, o 10 de Junho era conhecido como o Dia de Camões, de Portugal e da Raça. Oliveira Salazar, na inauguração do Estádio Nacional em 1944, tinha denominado também o dia 10 de Junho como o Dia da Raça em memória das vítimas da guerra colonial. A partir de 1963, o feriado do 10 de Junho assumiu-se como uma homenagem às Forças Armadas e numa exaltação da guerra e do poder colonial. A segunda republica não se revê neste feriado, pelo que, em 1978, o converte em Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

Fonte de pesquisa: http://www.catraios.pt/10junho.htm

sábado, 5 de junho de 2010

Dia Mundial do Meio Ambiente

Aproveitamos para decorar esta postagem com o símbolo da cidade de Belém do Pará - a mangueira - imagem no blogue de Moisés Jadão Neto.

Certamente a oliveira bem caracteriza Portugal. Neste 5 de junho, em que mundialmente se comemora o Dia do Meio Ambiente, sugerimos uma visita ao sítio Árvores de Portugal (publicação de Pedro Nuno Teixeira Santos) para saber mais sobre essa belíssima espécie. Clique aqui





sábado, 29 de maio de 2010

Assembléia Geral Ordinária




No dia 20 de maio - aniversário da Associação - ocorreu a Assembléia para analisar as contas da Diretoria anterior, as quais foram aprovadas.
Após a reunião foi servido o jantar em comemoração aos cento e doze (112) anos da Associação Vasco da Gama.
Além dos Diretores e de vários Associados, participaram do evento o Vice-Cônsul de Portugal em Belém do Pará, Sr. Joaquim Ludovina do Rosário e o Presidente do Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Pará, Sr. João Vaz Pisco.

Fotos por: Eliana Reis / Helder Serra


sexta-feira, 21 de maio de 2010

O navegador Vasco da Gama (1469-1524)


Navegador português nascido em Sines, Alentejo, o primeiro a dar a volta à África contornando o Cabo da Boa Esperança, e a alcançar a Índia (1497-1499). Trabalhando como tripulante de frotas francesas que aportavam no Algarve e em Setúbal (1492), foi chamado por D. João II para chefiar uma expedição para descobrir uma rota marítima segura para as Índias, após o feito de Bartolomeu Dias, que descobrira o acesso por mar ao Oriente, ao vencer o cabo da Boa Esperança, tornando viável um novo caminho além do pelo Mediterrâneo, na época bloqueado pelos turcos otomanos após a tomada de Constantinopla (1453).
A viagem só foi iniciada com uma frota composta de quatro naus, já no reinado de D. Manuel I (1497).
Depois de vencer inúmeros problemas e adversidades como epidemias de escorbuto, deserções e mudanças de rota para contornar as calmarias, alcançou o território índico e foi recebido pelo samorim, governante hindu de Calicut (1498).
Foi dessa aventura que Luís de Camões inspirou-se para escrever Os Lusíadas, maior poema épico da língua portuguesa.
Fonte: netsaber.com
Imagem: Quadro pintado pela Senhora Maria José Batista Brito


quinta-feira, 20 de maio de 2010

Aniversário da Associação

Hoje, 20 de maio, a Associação Vasco da Gama completa 112 anos de existência. Parabéns a todos os seus associados que participam para que esta Instituição continue representando as Comunidades Luso-Brasileiras no país e sobretudo possam transmitir aos seus descendentes o legado de sua cultura.